Skip to content

True Blood 5×03: Whatever I Am, You Made Me

25/06/2012


Preciso dizer que estou muito feliz em poder afirmar que True Blood fez um episódio muito bom e nem me lembro qual foi a última vez em que isso aconteceu. Dessa vez, alguns plots começaram a se entrelaçar, outros mostraram-se interessantes e promissores e o capítulo exibiu uma coesão poucas vezes vista por aqui.

Assim como na semana anterior, o destaque foi a trama envolvendo a luta entre populistas e sanguinistas. É peculiar ver vampiros defendendo os humanos e chega a ser até um pouco contraditório que o personagem de Christopher Meloni diga que eles não devem se comportar como selvagens, quando a própria natureza do modo como eles se organizam – com estrutura extremamente hierarquizada e julgamentos impiedosos e definitivos – exibe o contrário.

Em sua busca pela verdade sobre o “lado” que os seus prisioneiros defendem, o Guardião enviou até sua amante para seduzir os vampiros (em duas cenas bem cafonas, devo dizer), mas a moça só descobriu o que todo mundo já sabia. Aqui, duas coisas me chamaram a atenção. Primeiro, ao ser advertido pela Chanceler de que a luta coloca sua segurança em risco, Roman se compara a JFK e Martin Luther King, dizendo que nunca pararam de lutar por aquilo que acreditavam. Mas ambos acabaram mortos e eu aposto que ele terá um fim pelo menos parecido, mas não deve parar de lutar. Além disso, percebi que o ressurgimento do Russell Edginton por enquanto funciona apenas como um mcguffin, ou seja, apenas uma desculpa para que os vampiros se safem. E é curioso que isso aconteça mesmo que o antigo Rei seja um personagem tão bom.

Neste episódio 3, finalmente justificaram os flashbacks que apareceram semana passada, mostrando que a rivalidade entre Bill e Eric já vinha de muito tempo antes da Sookie aparecer. E se muitos achavam que havia um clima sexualizado crescente entre os dois, o contexto ganhou mais um elemento, pelo menos no campo visual: Istatic, aparelho utilizado para controlá-los, assemelha-se muito a algum acessório sadomasô, que, na prática, vejam só, é utilizado para dominar alguém na cama. Ainda aposto num threesome entre Eric, Bill e a Chanceler.
.
No entanto, o que o flashback trouxe de melhor foi com relação a Pam. Primeiro porque deu uma nova dimensão para a sua ligação com Eric, atualmente deteriorada. Segundo porque colocou em evidência a natureza da relação entre criador e criatura, descrita no longo discurso do vampiro e que justificará a provável aproximação entre Pam e Tara. E se há um bom motivo para a permanência de um personagem tão insuportável como Tara, é o fato de dar mais importância e tempo de tela para Pam, a pessoa mais carismática dessa série. Além disso, é bom ver que o roteirista foi coerente com a personalidade de Tara e se ela era auto-destrutiva quando humana, essa tendência só viria a se reafirmar agora como vampira.

Sookie e Lafayette não conseguem nem ajudar a amiga e nem se “proteger” da verdade do assassinato de Debbie. Na verdade, a tentativa de Sookie de esconder parece um plot forçado apenas para causar algum tipo de tensão, já que bastaria a moça afirmar que atirou em legítima defesa. Pelo menos rende alguns bons momentos com o Andy investigando o caso. E Alcide pode ser um mala mas tem razão quando se irrita ao perceber mais uma mentira de Sookie.

Entre os demais, Jessica ficou subaproveitada como confidente de Jason e este com uns questionamentos que, confesso, não entendi de onde vieram. Arlene ótima fazendo cara de assustada, ou seja, aquilo que faz melhor, Lafayette vai ter o mesmo plot de brujo da temporada passada e Sam ficou muito bem sem o drama familiar bobo envolvendo os lobisomens. E ainda teve o Hoyt emo frequentando o Fangtasia. “They will eat you alive here!“, disse Pam. E é isso mesmo que ele quer.
.

Também poderá gostar de:
True Blood 5×02: Authority Always Wins
True Blood 5×01: Turn! Turn! Turn!
True Blod 4×12: And When I Die 

3 Comentários leave one →
  1. 26/06/2012 19:49

    Gostei da sua resenha, vc apenas deixou de comentar que o personagem do Terry aparentemente terá mais destaque nessa temporada com o desenrolar dos incêndios misteriosos. Quanto aos questionamentos do Jason, acredito que ele realmente tenha ficado abalado com a Declaração de amor do Newlin, e que toda essa vida de promiscuidade tenha sido apenas uma forma de compensar sua homossexualidade reprimida. Aguardo ansiosa por ver essa Barbie sair do armário.
    att.

Trackbacks

  1. True Blood 5×04: We’ll Meet Again « Melhores Coisas
  2. True Blood 5×05: Let’s Boot and Rally « Melhores Coisas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: