Skip to content

Melancolia [Melancholia]

05/08/2011


Aplaudido em Cannes, quando rendeu o prêmio de melhor atriz a Kirsten Dunst, Melancolia parece ter ficado,felizmente, à parte da polêmica envolvendo o suposto nazismo do seu diretor Lars von Trier. Chega a ser um insulto fazer esse tipo de acusação a um cineasta cuja filmografia mostra-se pessimista em relação à humanidade justamente pela maldade intrínseca que ele vê nela. Algo que na maioria das vezes torna o ato de assistir às suas obras uma experiência exaustiva mas artisticamente única.

Assim como em seu filme anterior, Anticristo, o diretor optou por dividir este aqui em partes e iniciá-lo com belíssimas cenas em câmera lenta que já entregam a característica apocalíptica do seu longa. Melancolia é um planeta que passará perto da Terra, mas os personagens não sabem se haverá uma colisão ou não.

Embora chegue a utilizar no seu prólogo o slow motion e até elementos de computação gráfica, é possível perceber durante a primeira parte, intitulada “Justine”, um flerte com o Dogma 95, o que o remete principalmente a Festa de Família, do compatriota Tomas Vinterberg. Sempre com a câmera na mão e utilizando cortes inesperados na montagem, von Trier filma o casamento de Justine(Kirsten Dunst) e Michael (Alexander Skarsgård), uma cerimônia suntuosa que ocorre na mansão da irmã Claire (Charlotte Gainsbourg) e do cunhado da protagonista, Richard (Kiefer Sutherland). O resultado pode incomodar àqueles que não estão acostumados com as obras do diretor, mas certamente obtém sucesso ao passar a sensação de deslocamento vivenciada por Justine, que sempre falha no seu papel de noiva e constantemente deixa o ambiente. A solidão para ela soa necessária para que volte a lidar com aquilo novamente.

Vivida de forma surpreendente por Dunst, a moça praticamente em depressão parece perdida ao passear entre os seus convidados, como se a alegria de todos os presentes a incomodasse. Os balões com votos de felicidade que enxerga pelo telescópio representam para ela, de fato, um futuro feliz que some no horizonte a partir daquele momento.
.
Na segunda e úlima parte, intitulada “Claire”, o foco passa para a irmã e para o cunhado e o interesse maior surge das diferentes reações vindas da espera de uma possível colisão. Richard é racional e confia nos cientistas que descartam a ideia do fim. Justine, completamente em depressão, tem certeza da destruição e acha que ninguém sentirá falta do planeta, já que nele só vivem pessoas ruins. E nesse momento, o diretor consegue tangenciar de forma rápida o tema da maldade citado anteriormente.

No meio dos dois, encontra-se Claire. Falta a ela a ponderação de Richard e a morbidez completa de Justine, o que talvez a torne a personagem mais realista. Isso nos leva, então, ao principal mérito desta segunda parte: podendo facilmente cair na caricatura e na vontade de chocar tão comuns nos filmes que possuem um pano de fundo parecido, von Trier acerta ao manter o foco em apenas quatro pessoas (ao contrário das dezenas presentes no ato anterior) com personalidades críveis, realizando uma segunda parte de narrativa e visual poéticos e que levanta suas questões sempre de forma sutil.

A grandiloquência no ato final por vezes parece se tornar maior do que a própria história. Contudo, é bom saber que o diretor fez um longa que não está preocupado em dar respostas e dessa forma, menos pretensioso e controverso. Melancolia é um inegável trunfo artístico à obra de um cineasta com estilo tão refinado, mas que se mostra capaz de viajar por um mundo menos agressivo e pessimista.
.

Também poderá gostar de:
Crítica | Vejo Você no Próximo Verão
Crítica | Reencontrando a Felicidade
Crítica | Homens e Deuses

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: